Indústria Imobiliária

Paraná é o 3º Estado em número de construtechs e proptechs no país

Aumento de 180% no número de construtechs e proptechs no Brasil, em apenas quatro anos.

 

Essa é uma das principais constatações do mapa 2020 da Terracotta Ventures, primeira empresa de venture capital na América Latina focada em investimento em construtechs e proptechs, que destaca as principais startups do mercado imobiliário no país. Segundo a publicação, atualmente existem 172 construtechs e proptechs no país.

Segundo o CEO da Terracotta Ventures, Bruno Loreto, esse crescimento deve-se ao surgimento de casos de sucesso como Tecverde, Loft e Quinto Andar, o que inspira novos empreendedores e atrai mais investidores. “Outro fator é o crescimento da busca por inovação e tecnologia por parte das empresas do setor que precisaram se reinventar por conta da crise. Por fim, hoje também é muito mais acessível criar um negócio de tecnologia, os custos reduziram facilitando o caminho de quem quer criar uma startup”, explica.

Loreto destaca o fortalecimento da tendência do real estate e service, empresas que focam em prover moradia com experiência do cliente e serviço agregado. “Além disso, começamos a ver mais empresas focadas em inteligência de dados, caminhando para a melhora da tomada de decisão com base em algoritmos inteligentes”, observa.

O mapa das construtechs e proptechs da Terracotta Ventures no Brasil, em 2020, mostra ainda que o Paraná é o 3º Estado com o maior ecossistema de startups na categoria (63 no total), atrás apenas de São Paulo (293 startups) e de Santa Catarina (83 startups).

Entre as startups paranaenses que constam no levantamento, está o Avalion, plataforma de avaliação imobiliária para empresas e profissionais autônomos. Para o CEO do Avalion, Paulo Roberto Oliveira, o crescimento das construtechs e proptechs paranaenses mostra a importância do Estado como polo tecnológico e de inovação.

“Muito se diz que o mercado imobiliário ainda é uma atividade artesanal. O crescimento das startups em nível nacional indica que esse é um paradigma que está sendo quebrado nos últimos anos. Acreditamos que, em função da pandemia e da necessidade de repensar os negócios, essa automatização dos processos e rotinas no mercado imobiliário será acelerada”, analisa Oliveira.

A tendência é validada por indicadores. A quantidade de avaliações imobiliárias para precificação dos imóveis para venda ou locação teve alta de 57% em abril, em relação a março, segundo dados da plataforma online Avalion, totalizando mais de 15 acessos diários. O volume de acessos à ferramenta para elaboração de análises mercadológicas e de laudos de avaliação quase triplicou no período.

“Com a severa restrição de pessoas nas ruas a fim de evitar aglomerações e a propagação do vírus, a tecnologia é uma alternativa para que esse profissional se mantenha ativo e produtivo”, comenta o CEO do Avalion.

Oliveira destaca ainda que as soluções oferecidas pelas startups paranaenses atendem inclusive as pequenas e médias empresas. “Depois do boom, as construtoras e incorporadoras locais ou regionais correspondem a cerda de 90% do número de empresas atuantes no mercado imobiliário paranaense. As startups estão ajudando-as a se reinventarem nesse momento de transformação tecnológica sem precedentes, ao mesmo tempo em que exportam o seu conhecimento técnico e mercadológico para outras praças. Estamos na vanguarda”, argumenta.

Crédito: Divulgação
Fonte: MEmilia Comunicação

Deixe um comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado.

Você pode gostar