*Luciano Tomazini

Quando é o melhor momento para a compra da casa própria? A resposta é simples: quando aliamos a necessidade, o desejo e os recursos necessários. Em parte, é isso mesmo. Porém, o cenário externo às nossas vidas também influencia bastante a tomada dessa decisão, e, nessa etapa, podemos listar aqui variáveis como a oferta de crédito e, principalmente, de estoque.

O mercado imobiliário é movimentado em ciclos, e estamos vivenciando exatamente um ciclo de aquisição muito interessante. Talvez, parte dele até provocado pelo momento que atravessamos, quando acabamos passando mais tempo dentro dos lares e, por isso, a percepção de valor e necessidades acaba sendo ajustada.

A verdade é que vivemos, em parte, um momento similar ao visto até a metade da década passada. Temos crédito farto e ainda uma das menores taxas de juros da história recente, mas esse quesito já está começando a mudar, e tudo indica que até o final do ano devemos estar com um cenário diferente, o que poderá encarecer os financiamentos.

Ainda sob o aspecto de crédito, os dados do Secovi/PR nos mostram que, pelo menos em Curitiba, essas compras que foram concretizadas usando financiamentos seguem, desde junho do ano passado, oscilando acima dos 70%, o que é uma característica muito comum nos ciclos de alta venda de imóveis. Também não podemos deixar de citar que há um grande número de pessoas que têm transformado investimento em papéis em imóveis, e essa clientela tem como característica usar o pagamento à vista como um benefício na negociação.

Em números, fica evidente o quanto cresceram as negociações quando vemos o volume de recursos que esse mercado movimentou em impostos nos últimos meses. Se pegarmos como termômetro apenas o pagamento do Imposto sobre a Transição de Bens Imóveis (ITBI) em Curitiba em abril, veremos que a soma dessa arrecadação nos anos 2019 e 2020, nesse mesmo período, ainda é R$ 5 milhões mais baixa do que a de 2021. Essa tributação gerou entre janeiro e abril mais de R$ 154,6 milhões, uma cifra 79% maior do que em 2020 e 67% maior do que em 2019 no mesmo período.

Ainda temos estoque, e o crédito circula facilmente. Vivemos um excelente momento para a compra da casa própria, mas, como tudo é cíclico, daqui a pouco o cenário pode não ser tão atrativo quanto o que temos agora. Vale sempre lembrar que na economia tudo é uma questão de oferta e procura, e negócios excepcionalmente bons têm o chamado momento de ouro para acontecer. 

Luciano Tomazini é vice-presidente de Comercialização Imobiliária do Secovi-PR.

Crédito: Divulgação 

Fonte: Luciano Tomazini

Deixe um comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado.

Você pode gostar