Cuidados ainda na construção das piscinas evitam problemas futuros e ajudam a garantir o lazer da família com segurança.

Por Marina Portella e Rafaela Guimarães

Com a chegada das temperaturas mais elevadas no verão, muitas famílias pensam em construir uma piscina em casa para aproveitar melhor os momentos de lazer. Antes de começar a instalação de uma piscina, que deve ser um local de extensão de alegria e lazer das famílias, é primordial contratar equipes personalizadas, como arquitetos e empresas especializadas, para analisar o terreno, pois qualquer movimentação pode causar fissuras na estrutura. 

O terreno deve ser firme para evitar problemas. E, caso não seja, é necessário fazer um projeto estrutural específico para adequá-lo. “A análise do solo e do comportamento do terreno é primordial para garantir a segurança da estrutura que vai ser montada para receber a piscina. E isso inclui também escolher se a piscina será de concreto armado, fibra de vidro ou ainda alvenaria, pois cada material se comporta de uma maneira diferente”, destaca a arquiteta Monica Raeder.

Segundo Gerônimo Machado, diretor Curitiba/Brésil da tradicional Desjoyaux Piscinas, são muitos os quesitos a serem analisados antes da instalação. “Interferem o tipo de solo/local de instalação e as possíveis implicações deste na elaboração da piscina, as pedras que serão utilizadas ao redor, quem serão os possíveis usuários (crianças, jovens e idosos), a temperatura do local onde será instalada a piscina, o formato, o tamanho, a cor e o material”.

A profundidade deve ser pensada de acordo com o uso que será dado a ela e se na residência possui crianças pequenas ou alguém que não saiba nadar. “O ideal é que ela não ultrapasse 1,60m, medida suficiente para nadar ou andar confortavelmente no perímetro da piscina” esclarece Leandro Prestes, consultor técnico da Impermix. 

A escolha dos materiais é outro ponto importante na elaboração do projeto. São muitas opções, mas o ideal é que a borda e o piso ao redor da piscina sejam antiderrapantes, como as pedras naturais e os cimentícios, que são materiais mais modernos e não esquentam com a exposição ao sol, para evitar acidentes. Já os revestimentos internos podem ser em pedras, azulejos, pastilhas, cerâmicas (esmaltadas ou não), mosaicos e uma série de outros acabamentos. Os únicos revestimentos não indicados são as mono-porosas, que podem causar desplacamento e gretagem (fissura ou trinca sobre superfícies esmaltadas). Existem ainda novidades no mercado, como o PVC armado de alta resistência. “Essa tecnologia também permite que o cliente escolha as mais diversas cores e composições para a sua piscina”, explica Gerônimo.

Para levar ainda mais segurança à estrutura, a impermeabilização deve ser feita corretamente para evitar o aparecimento de vazamentos e rachaduras. “Ela representa de 3% a 5% do custo útil da obra. Se o serviço não for executado corretamente, os gastos com a remoção dos revestimentos e reaplicação dos impermeabilizantes podem ocasionar um custo extra de 10% a 15% do valor da construção”, explica Juli Casellas, da Impermix. Para piscinas enterradas, as argamassas poliméricas apresentam uma boa eficiência, enquanto nas demais podem ser aplicadas mantas asfálticas.

A filtragem da piscina precisa ter um sistema eficiente para mantê-la limpa. Ela deve ter um ralo profundo e um sistema que mantenha a água circulando. Para isso, é necessário uma bomba de água e um sistema de filtragem. Os mais comuns são os filtros de areia, mas existem variações. A bomba faz a água circular em direção ao ralo de fundo, que a envia para o filtro, onde ela é tratada e retorna ao tanque. Essa filtragem ajuda na manutenção da piscina, que deve ser realizada com frequência. 

Em casa, ela deve ser limpa uma vez por semana e a filtragem deve ser feita diariamente durante seis horas. “Para melhor limpeza e conservação da água da piscina deve ser feito um tratamento físico e químico. O nível do PH deve ser mantido sempre entre 7.2 e 7.6 e o nível do cloro deve ser mantido sempre entre 2.0 e 4.0”, comenta Leandro. 

Uma manutenção correta consiste não apenas de aplicação de produto, mas também de uma boa limpeza manual como aspiração, escovação, e filtragem de acordo com o seu volume de água. Outros problemas técnicos recorrentes, que podem ser evitados com mão de obra especializada são a demora para a construção, possibilidade de vazamentos, falta de nivelamento do solo e dificuldade de acesso à casa de máquinas.