Notícias

Recuperação COVID-19: empresas brasileiras nos EUA deverão recorrer à recursos do Governo para superar a crise

Anúncio de alívio financeiro, facilitações tributárias, adiamentos de pagamentos de impostos e fundos para empréstimos a Micro e Pequenas Empresas nos EUA, feito pelo Presidente Donald Trump e adotado por governadores em diversos estados, deve salvar empresas brasileiras no país, avalia especialista em negócios internacionais.

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump anunciou, nesta semana, planos de alívio financeiro para empresários afetados pelo COVID-19 no país. Diversas mudanças emergenciais foram anunciadas para auxiliar micro e pequenas empresas a enfrentar os efeitos do novo coronavírus, e um pacote emergencial de US$ 1 trilhão de dólares foi apresentado para estimular a economia americana. As medidas deverão ser essenciais para a sobrevivência das empresas brasileiras presentes nos EUA.

Entre as principais medidas anunciadas pelo Governo Federal estão: adiamento de pagamentos de impostos, abertura de linhas de crédito e empréstimos com juros baixos para empresas, e aumento da verba para pagamento de seguro desemprego aos estados. Diversos governadores de estados americanos já anunciaram pacotes também favoráveis às micro e pequenas empresas.

Na Flórida, estado com maior presença de empresas brasileiras nos EUA, o Governador Ron DeSantis anunciou na última segunda-feira que o estado iniciará um programa de empréstimos de até US$ 50 milhões para empresas afetadas pelo novo coronavírus. Ele afirmou ter também orientado o departamento de receita do estado a estender os prazos para que as empresas paguem impostos corporativos.

Para o especialista em negócios internacionais, que atua nos Estados Unidos há quase 10 anos, André Duek, as medidas, tanto do Governo Federal quanto do governo estadual, deverão salvar as empresas brasileiras que estão nos Estados Unidos.

Para ele, estas medidas ajudarão os empreendedores brasileiros de pequeno e médio porte a manterem seus negócios e empregos.

“Antes do novo coronavírus a economia americana estava a pleno vapor. Para vencer os efeitos temporários dessa pandemia os empresários, principalmente brasileiros, precisam destas medidas enérgicas para manter seus negócios e também buscar manter funcionários neste período. É sem dúvida uma boa notícia em meio a esta situação tão triste. Mas precisamos confiar na capacidade do brasileiro em superar crises”, afirma André Duek.

Dados do Itamaraty mostram que existem quase 10 mil micro e pequenas empresas brasileiras nos Estados Unidos. As empresas brasileiras geraram, até 2017 — dado mais recente até o momento — mais de 74.200 empregos diretos nos Estados Unidos. Para André Duek, os efeitos do novo coronavírus são temporários e os empresários precisam manter-se positivos e evitar demissões.

“Neste momento, os empresários brasileiros precisam ter controle emocional para lidar com os impactos desse vírus e confiar nas soluções propostas pelos governos nos EUA, caso precisem. Não estar alarmados e aplicar o mais alto nível de gestão estratégica. Manter empregos e subcontratos o máximo que puderem e evitar medidas drásticas para o negócio. Na Flórida, os empréstimos sem juros a empresários que tenham no mínimo 2 funcionários pode chegar a US$ 50 mil”, orienta o especialista André Duek.

No discurso de lançamento do pacote de ajuda, o Governador da Flórida justificou a medida devido a muitas vezes, em casos emergenciais como este, as empresas apresentarem problema de fluxo de caixa e atuarem com margens apertadas.

Outras medidas de suporte

Outras medidas de suporte econômico aos americanos foram anunciadas. Entre elas, a recomendação dos EUA de um intervalo de um ano para pagamentos de hipotecas residenciais. De acordo com a medida, proprietários que perderam renda ou seus empregos por causa do surto de coronavírus receberão um auxílio. Dependendo da situação, eles devem ser elegíveis para ter seus pagamentos de hipotecas reduzidos ou suspensos por até 12 meses.

As autoridades Federais, através das gigantes hipotecárias Fannie Mae e Freddie Mac, estão ordenando que os credores ofereçam flexibilidade aos proprietários de imóveis nos EUA. A medida cobre cerca de metade de todos os empréstimos à habitação nos EUA – garantidos por Fannie e Freddie. A expectativa é de que todo o setor hipotecário adote rapidamente uma política semelhante.

Um outro pacote federal de suporte estabelece créditos tributários para fornecer licença médica paga e licença médica por interrupções no emprego relacionadas ao coronavírus. Pagamento continuado a trabalhadores que estejam doentes com o vírus, em quarentena, ou cuidando de alguém afetado ou cuidando de uma criança cuja escola fechou. Apoio às famílias e os mais vulneráveis, o projeto também fornece financiamento e flexibilidade para ajuda nutricional de emergência a idosos, mulheres, crianças e famílias de baixa renda.

André Duek atua há 33 anos no mercado nacional e internacional, é empresário com experiência na gestão de grandes empresas no Brasil como as marcas de moda Forum e Triton. Nos EUA há 7 anos, consolidou, entre vários negócios de sucesso, como a Duek Realty que é uma boutique imobiliária especializada em atender estrangeiros e a primeira empresa de locação de motorhomes gerida por brasileiros no país, a Duek Motorhomes. Fora do escopo empresarial, é comentarista de automobilismo na TV, rádio e na maior plataforma de streaming digital de esportes do mundo.

 

Crédito: Divulgação
Fonte: OnevOx Press

Deixe um comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado.

Você pode gostar