Eventos

Curitibano lança a primeira criptomoeda verde do mundo

Ativo digital, regulado pelo Mercado Financeiro suíço, iniciará oferta global em novembro de 2019.

 

A Empresa Brasileira de Florestas (EBCF), que há mais de 10 anos trabalha com o desenvolvimento de Unidades de Conservação Sustentáveis na Amazônia, prepara-se para ser a próxima integrante do mercado de criptomoedas tornando a preservação um ativo dos investidores. Por meio da Amazonians Green Coin (AMA), que estará disponível no mercado, na venda privada para investidores, no mês de novembro, a EBCF trará a primeira criptomoeda verde do mundo, uma vez que é lastreada por um bem tangível e auditado, cerca de 20 mil hectares da Reserva da EBCF na Amazônia, que poderão chegar a 960 mil hectares conforme a evolução dessa criptomoeda no mercado. Além dos 20 mil hectares, a AMA soma outro diferencial dentre as criptomoedas existentes, de contar com a regulamentação da Autoridade Federal de Vigilância do Mercado Financeiro suíço, a FINMA (Swiss Financial Market Supervisory Authority).

Propósito
O CEO da EBCF, o curitibano Leonardo Barrionuevo, classifica a AMA como sendo “uma moeda com propósito”, que carrega o valor de financiar projetos de desenvolvimento sustentável na Amazônia visando o combate ao desmatamento, pobreza e aquecimento global. “Sempre entendi que a iniciativa privada e o indivíduo têm que fazer sua parte na missão. Para que tudo isso se tornasse uma realidade, entendemos que o melhor caminho seria através da compra de florestas privadas nativas que estivessem sofrendo pressão de desmatamento para transformá-las em Reservas Particulares de Desenvolvimento Sustentável (RPDS)”, explica.

A relação de Barrionuevo com a Amazônia teve início com a especialização do empresário em temas como aquecimento global e mercado de carbono, assuntos que o levaram a ter acesso a relatórios das Nações Unidas, segundo ele, “relacionados não apenas à crise das mudanças climáticas, mas também aos efeitos da extinção da biodiversidade”. Na sequência, o empresário conheceu um cidadão amazonense, nascido e criado no município de Manicoré, que há muitas décadas trabalha com a família na conservação da Amazônia. “Esses fatores me causaram uma genuína vontade de fazer algo pela conservação da floresta, proteção da sua biodiversidade, redução das emissões de CO2 e, principalmente, o desenvolvimento sustentável das comunidades tradicionais e ribeirinhas”, salienta.

Próximos passos
Dentro da programação de lançamento da AMA, após a oferta privada em novembro, entre dezembro de 2019 e janeiro de 2020, ocorrerá a pré-oferta com lote limitado e desconto de até 15%. Entre fevereiro e abril de 2020, a moeda estará à venda para o público em geral por meio de corretoras internacionais (initial exchange offering). Toda a rastreabilidade das operações é garantida pelo blockchain e alguns pré-requisitos como a exigência de identificação de cada investidor. Como é uma criptomoeda que visa a preservação, não haverá processo de mineração que consome elevada quantidade de energia.

o empresário Leonardo Barrionuevo, da EBCF, durante o anúncio da primeira criptomoeda verde do mundo na Nasdaq.

Saiba mais sobre a AMA pelo site: www.ebcf.com.br

Crédito: Divulgação
Fonte: Verso THT Comunicação Arte 

Deixe um comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado.

Você pode gostar