Arquitetura

O espaço de trabalho na era dos bancos digitais

A era digital facilitou as transações bancárias e a mudança afetou até a arquitetura das novas sedes das instituições

 

A internet facilitou muito o dia-a-dia dos clientes bancários. Há alguns anos, pagar contas exigia uma caminhada à agência bancária mais próxima – hoje, alguns cliques resolvem as principais transações bancárias sem sair de casa. Os smartphones e computadores modificaram muito mais do que o atendimento dos bancos, a transformação chegou aos escritórios e à dinâmica de trabalho dos colaboradores.

A disponibilidade dos serviços bancários 24h por dia através da internet e telefone obrigou às instituições a se desfazer de uma das principais características do passado: a burocracia. Com o tempo, os antigos escritórios não atendiam mais às necessidades dos colaboradores e a mudança de paradigmas exigiu criatividade também dos escritórios de arquitetura.

“Os bancos na era digital precisam encontrar soluções, criar ferramentas e atualiza-las praticamente em tempo real. A interação de dez anos atrás, que ocorria entre times via agendamento por e-mail, deu lugar a interação imediata. As equipes precisam se encontrar rapidamente e desenvolver seu trabalho de forma ágil, pois uma tecnologia ou solução que é definida hoje, dentro de algumas semanas já pode estar desatualizada perante cliente, mercado e concorrentes”, explica a arquiteta Bruna de Lucca, Diretora de Projetos da Studio BR Arquitetura.

Especializado em espaços corporativos, o escritório de arquitetura montou uma equipe multidisciplinar para oferecer novas soluções espaciais às instituições financeiras – e já atende clientes importantes como o Banco BMG e o Banco Pine. A mudança gradual tende a abarcar cada vez mais clientes que, de acordo com o estudo realizado pelos profissionais, procuram uma nova organização de espaço físico que possibilite a interação veloz e dinâmica que não é possível em ambientes compostos apenas por estações de trabalho e salas de reunião padrão.

“Hoje já sabemos que o problema não é a falta de salas de reunião, mas a ausência de áreas colaborativas que abriguem tarefas diversas e ágeis. Esses espaços possuem formatos diversos e são estrategicamente pensados para interação mais veloz, ocupam pouco espaço custam muito menos para serem implantados, mas com enormes ganhos para os colaboradores”, comenta a diretora.

Apesar de ser uma inovação, as mudanças já estão em prática. A Studio BR conta que em um dos clientes substituiu uma sala de reunião para 12 pessoas por seis espaços colaborativos. Ou seja, onde antes ocorreria apenas uma reunião por vez, hoje recebe até 6 atividades simultâneas de 1 até 6 participantes cada. Assim, antigos bancos se adequam a novos modelos de negócio – é o impacto da Era Digital no mundo real.

Crédito: Divulgação
Fonte: Tropico Comunicação

Deixe um comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado.

Você pode gostar